Tombamento do Núcleo Histórico de Passa Quatro/MG

Tombamento do Núcleo Histórico de Passa Quatro/MG

O município mineiro de Passa Quatro está situado na região sul do Estado, mais precisamente nas imediações da Serra da Mantiqueira, na tríplice divisa dos estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro. O desenvolvimento urbano do município foi marcado pela implantação da estrada de ferro “Minas and Rio”, inaugurada em 1884, induzindo a uma expansão longitudinal da pequena urbe ao longo do rio Passa Quatro. Já nas primeiras décadas do século XX, vias públicas foram abertas e diversas edificações erguidas em alvenaria de tijolo, com suas fachadas frontais apresentando preocupação estética e formal em suas composições, principalmente nos prédios públicos e nas residências da população mais abastada. Colunas, capitéis, balaustradas, platibandas e lambrequins eram elementos constantes desse ecletismo presente nas edificações então erigidas, assim como varandas laterais e alpendres decorados por painéis de pintura.

Manifestações do Art-nouveau também são identificadas em bens da década de 40 e 50, como o uso do ferro como estrutura decorativa, empenas falsas, pequenos pórticos, além de chalés e residências do tipo bungalow, em menores casos. A horizontalidade do conjunto urbano é marcante na paisagem construída, respeitando uma harmonia volumétrica, onde a Igreja Matriz de São Sebastião desponta como marco vertical, tendo como pano de fundo a Serra da Mantiqueira. O próprio calçamento das ruas do centro é digno de nota. Em fins da década de 1930, paralelepípedos claros e escuros foram dispostos em faixas transversais alternadas que, de certa forma, deram vivacidade e movimento aos traços retilíneos das vias.

A relevância do casario e do traçado urbano de Passa Quatro vem sendo objeto de grande preocupação da administração municipal nas últimas décadas, quando foi efetivado, em 1999, o primeiro tombamento municipal de uma estrutura arquitetônica, a atual Casa da Cultura e sede do Conselho Municipal de Patrimônio Cultural. Desde então, outros bens passaram a ter como tutela judicial o instituto do tombamento, a exemplo do Calçamento da Malha Urbana (2004), do prédio da Estação Ferroviária de Passa Quatro (2006) e de outras construções civis que resgatam os modos de construir e morar, cada uma indicando uma arquitetura eclética diferenciada, que juntas, compõem a diversidade harmônica do Núcleo Histórico de Passa Quatro.

E justamente pela a força do conjunto urbano de Passa Quatro, que vai além da valorização individual de seus imóveis, monumentos e espaços públicos, que no ano de 2008, foi efetivado o tombamento o Núcleo Histórico do Centro de Passa Quatro. O dossiê que subsidiou a inscrição de tal conjunto urbano no Livro do Tombo foi realizado pela empresa Memória Arquitetura, em atendimento à demanda da Prefeitura Municipal e da própria população passaquatrense.