Tombamento do calçamento da malha urbana do centro, Passa Quatro/MG

Tombamento do calçamento da malha urbana do centro, Passa Quatro/MG

Através de um conjunto de ações bem estruturadas, uma comunidade consegue proteger efetivamente seu patrimônio cultural. Além de um trabalho de conscientização da população, os bens culturais do município devem ser investigados, registrados e os mais significativos e relevantes podem ser protegidos pelo instituto do tombamento que não se limita às edificações (bens imóveis) ou aos bens móveis. Em meados de 2003, o Conselho Municipal de Patrimônio de Passa Quatro, na vanguarda dos conselhos municipais que atualmente se multiplicaram pelo interior do Estado de Minas Gerais, elegeu o calçamento do centro urbano da cidade como um dos bens a receber a tutela legal do tombamento. Foi o primeiro tombamento de um conjunto paisagístico do município.

Passa Quatro preserva em seus limites um significativo e já reconhecido conjunto da arquitetura eclética em Minas Gerais. O acervo é privilegiado pelo harmônico cenário em que está inserido: a volumetria das edificações mais antigas respeitada pelas novas construções, o desenho das ruas acompanhando o traçado da ferrovia e a paisagem natural da Serra da Mantiqueira emoldurando o ambiente urbano são alguns fatores que podem ser percebidos por observadores mais atentos. Os passaquatrenses também conseguiram preservar, além do traçado de suas vias, seu calçamento em paralelepípedos. Grande parte da malha urbana ainda é calçada pelas mesmas pedras utilizadas na década de 1930, além disso, mais um detalhe faz o calçamento especial: paralelepípedos de diferentes tons formam desenhos cuidadosamente executados pelo calceteiro Adriano Gonçalves e sua equipe. As ruas da cidade são uma atração e curiosidade à parte. Cheias de lembranças e significados, elas continuam contando histórias da cidade e dos passaquatrenses.

O dossiê elaborado sob a responsabilidade técnica da empresa Memória Arquitetura em 2004 buscou reunir a documentação necessária para subsidiar o tombamento do calçamento do centro de Passa Quatro. Sua harmonia estética e paisagística evidencia um instigante diálogo entre o passado e o presente: além de nos levar para os mais diferentes lugares da cidade, tais vias de pedras metaforizam um caminhar sereno pela história passaquatrense.